Quando as relações sexuais são dolorosas

O vaginismo é a dificuldade em realizar a relação sexual, devido à contração involuntária dos músculos que rodeiam a vagina, e ocorre ao tocá-la ou pressioná-la. Essa contração faz com que ela se feche parcial ou totalmente e provoca dor durante a penetração do pénis.

Sintomas do vaginismo

O vaginismo pode manifestar-se como um desconforto leve, uma sensação de ardor ou uma dor intensa no momento da penetração. Às vezes, podem alternar-se períodos de agravamento ou melhoria de forma espontânea.

Se estiver a enfrentar estes sintomas que dificultam as suas relações sexuais, deve consultar o seu ginecologista.

Por que é importante tratá-lo?

O vaginismo é uma disfunção sexual feminina que afeta 12% das mulheres, tem solução e não tem de representar um problema grave. É importante tratá-lo, pois costuma gerar angústia, frustração, culpa e baixa autoestima, entre outras emoções; em alguns casos, pode até levar a pensar na impossibilidade de formar uma família.
Não afeta apenas o plano sexual, muitas vezes pode criar problemas ao introduzir tampões ou durante um exame ginecológico.
Dado que a sexualidade continua a ser um assunto muito privado e algo “tabu”, algumas mulheres afetadas podem esperar até dois anos para consultar um médico.

Quando é que o vaginismo aparece?

O vaginismo geralmente surge na adolescência, quando se iniciam as relações sexuais, e nestes casos é considerado primário. Também pode ocorrer em idades mais avançadas, principalmente durante o período da menopausa, em mulheres que nunca tiveram problemas de relacionamento ao longo da vida. Neste caso, seria considerado vaginismo secundário.

Quais são as causas do vaginismo?

As causas do vaginismo são devidas a dois principais fatores:

Orgânicos:

  • Hímen hipertrófico
  • Endometriose
  • Tumores
  • Cicatrizes
  • Hemorroidas
  • Alterações na pele da vulva

Psicológicos (os mais frequentes):

  • Ansiedade antes da penetração
  •  Medo de sentir dor
  • Medo de engravidar
  • Experiências sexuais negativas
  • Violência sexual ou abuso
  • Depressão
  • Baixa autoestima

Como é diagnosticado o vaginismo?

O vaginismo é diagnosticado pelos sintomas apresentados pela mulher e pelo exame ginecológico. Primeiramente, deve explicar ao seu ginecologista exatamente o que sente durante as relações sexuais, e uma vez que tenha esta informação, será submetida a um exame para descartar outras causas que possam impedir a penetração. Existem técnicas não invasivas e indolores, como o Biofeedback Eletromiográfico, que ajudam a diferenciar uma origem muscular ou psicológica.

Quais são os tratamentos disponíveis para o vaginismo?

O vaginismo é uma disfunção sexual que geralmente não se resolve sem ajuda, mas a taxa de sucesso é muito alta. Principalmente, o tratamento centra-se em reduzir a tensão dos músculos vaginais e o medo da dor que sente ao tocar na vagina ou durante as relações sexuais. Se a causa for orgânica, existem tratamentos e técnicas para resolver o problema. Quando a causa é psicológica, os especialistas recomendam abordá-la de várias maneiras, como a eliminação de ideias erradas sobre a penetração, bem como o controlo da ansiedade que pode aumentar a tensão muscular.

Para diminuir essa reação reflexa, existem exercícios de toque para dessensibilizar a área genital da dor.

Também existem outros exercícios, chamados exercícios de Kegel, que envolvem a contração e relaxamento dos músculos do pavimento pélvico, que controlam a urina.

Se os exercícios não resolverem o problema, pode-se recorrer a relaxantes musculares ou a procedimentos um pouco mais invasivos, como injeções de botox ou rejuvenescimento vaginal com laser.