Vaginose bacteriana, vulvovaginite ou vaginite

As infeções vaginais apresentam sintomas comuns, sendo por vezes difícil distingui-las, inclusive, em algumas situações, costumam ser agrupadas todas as doenças sexualmente transmissíveis (DST) no mesmo conjunto. A vulvovaginite por candidíase, a vaginose bacteriana ou a tricomoníase são três exemplos de infeções vaginais e, embora partilhem algumas características, são infeções distintas.

Para compreender melhor as diferentes infeções, é importante primeiro conhecer a vagina na ausência de infeção. A vagina desempenha uma função de defesa contra os microorganismos patogénicos provenientes do exterior. Esta função de defesa reside na flora microbiana da mucosa vaginal, onde diversos microorganismos estão presentes, sendo os lactobacilos predominantes. Através da produção de ácido láctico, estes microorganismos regulam o pH vaginal, de forma a criar um ambiente no qual os organismos patogénicos não podem sobreviver. Na maioria dos casos de infeção vaginal, a causa reside num desequilíbrio da flora bacteriana.

Vaginose Bacteriana

A vaginose bacteriana é a infeção vaginal mais comum e apresenta os seguintes sintomas:

  • Leucorreia ou excesso de corrimento vaginal. O corrimento é malcheiroso, abundante, homogéneo e de cor branca ou acinzentada
  • Aumento do pH vaginal

Esta infeção ocorre devido à substituição dos lactobacilos na microflora vaginal por outros microorganismos patogénicos que colonizam a mucosa vaginal e alteram o seu pH. O motivo não está totalmente claro, embora tenha sido observado que pode estar relacionado com o número de parceiros sexuais.

Vulvovaginite por Candida

A vulvovaginite mais comum é causada pelo fungo Candida, também conhecida como candidíase. Os sintomas são os seguintes:

  • Leucorreia ou excesso de corrimento: corrimento branco e abundante
  • Irritação e prurido na vulva
  • Dermatite no tecido vaginal e/ou pequenas fissuras no tecido

Embora a candidíase possa ser transmitida sexualmente, também pode ocorrer por outros motivos, como excesso de duches vaginais, vestir roupas muito justas ou o uso de produtos de higiene não específicos para a zona vaginal.

Vaginite por Tricomonas

Por outro lado, a infeção por tricomoníase é uma doença sexualmente transmissível. Os sintomas incluem:

  • Leucorreia ou excesso de corrimento: corrimento malcheiroso, amarelado ou esverdeado, homogéneo e frequentemente espumoso
  • Vagina inflamada e colo do útero avermelhado
  • Alteração do pH
  • Prurido vulvar

Diagnóstico das Infeções Vaginais

Se estiver a sentir desconforto, prurido ou corrimentos abundantes e de cores não normais, é crucial procurar imediatamente um ginecologista. A realização de culturas do exsudado vaginal determinará se há uma infeção e qual é a sua causa. No caso de ter uma infeção vaginal, também é importante realizar testes para outras possíveis Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), uma vez que as infeções vaginais enfraquecem a flora microbiana, tornando mais fácil para outros microorganismos patogénicos colonizarem o nosso corpo.

Tratamento das Infeções Vaginais

Dependendo do agente infecioso que causou a infeção, existem diferentes tratamentos que o médico poderá prescrever, como antibióticos se for uma bactéria, ou antifúngicos se for um fungo. No entanto, cada vez mais estão a ser utilizados antissépticos vaginais sob a forma de óvulos, soluções ou cremes. O uso de probióticos como coadjuvante ao tratamento restabelece as condições fisiológicas normais da vagina após uma infeção e previne a recorrência. Na Gynea, dispomos de produtos específicos e especialmente formulados para isso!

Se quiser mais informações sobre infeções vaginais, recomendamos “Mitos sobre as infeções vaginais”.